Avó de menina é outra coisa….parte II

Criar, desenvolver, preparar lembrancinhas para o primeiro aniversário da Júlia foi muito gratificante.

O tema foi Minnie vermelha. Até minhas unhas seguiram o tema.


O buffet tem todos os itens dessa decoração e a mesa estava belíssima.
Primeiro, fiz este protótipo… Mas, achei que tinha excesso de informação, ainda mais porque ainda teria o lacinho….


Modifiquei para plissar só a sainha e não mais as orelhas e a carinha.


Fiz os cachepôs. E,  em dois tamanhos em função das mesas.
Um dia riscar, outro cortar, depois colar.





Para enfeitar os cachepôs com as minies, coloquei o papel de seda, enrolei como uma flor os menores, preparei os palitos para colar os enfeites e, o Murilo colocou nos vasos pra mim.


Gosto de fazer presentes úteis. Fiquei bolando a sacolinha surpresa, para que ela pudesse ser utilizada depois pelas crianças, ou suas mães… ou avós.

Sou apaixonada por estes saquinhos aqui:


Então, desenvolvi os dois abaixo: para as meninas, vermelho de bolinhas brancas por fora e preto por dentro. Para os meninos, o inverso.

Para as meninas fiz as tiaras com pompons e para os meninos, imãs de geladeira.

 


O Buffet ficou decorado assim:


  


 As lembrancinhas, expostas na vitrine.

O mais importante é que Natalie e Mauro me deixaram livre para fazer e aprovaram o resultado.

Habilidades

Somos tocados  todas as vezes que assistimos filmes de superação, com histórias de vida que teriam tudo para somente chorar.

E o que fazemos? nos solidarizamos agradecendo a  Deus por sermos perfeitos. Mas é só isso que Deus, Ele mesmo, espera de nós?

Não!  Deus quer que enxerguemos como somos perfeitos e entendamos que nosso potencial é infinitamente maior do que pensamos, mas que, à partir desse insight, saiamos do nosso casulo e nos coloquemos a serviço.

isso quer dizer, temos obrigação de sair da  zona de conforto, da preguiça, do deixar pra depois. vemos sempre que o depois pode não existir. E, ainda assim, nada fazemos….

Faço muita coisa ao mesmo tempo e,  isso atrapalha um pouco minha vida, em termos de organização. Mas, não sou um caso isolado. Parece-me quase um requisito, no caso de artesãos. 

Habilidade manual, não é só um dom. É também muito treino e disposição para perseguir um trabalho, um resultado. É querer motivar todos os que estão ao seu redor  para que, se não quiserem aprender, fazer também, que ao menos admirem e comprem esses trabalhos.

O conceito do feito à mão, do handmade, do craft,  é valorizar todo trabalho não industrializado, dar asas à criatividade pessoal.

É mais saúde, menos depressão, nada de ansiolíticos,. 

É sinônimo de felicidade para quem descobre o poder do fui eu que fiz.

Os dedais

A coleção cresce… Dedal branco, em porcelana,  com uma borboleta delicadíssima.

Minha amiga, professora, artesã, artista plástica, mãe, esposa, avó, enfim, mulher maravilha, Marilucia Guilen

(http://www.mariluciaguilen.com.br/tag/artesanal/) mudou-se… Não muito longe, mas também nada perto…

Entre muitos mimos que já recebi dela, hoje fui buscas na agência dos correios um que ela me mandou. Como estava viajando eles  vieram duas veze e ontem deixaram o protocolo para retirada. 

Lu, amei. Só não me lembro onde você comprou…

A energia boa, veio junto! 

Vou lhe dar “o trôco” rs 

Quanto à ser minha fã, a recíproca é verdadeira!

Obrigada! 



Avó de menina é outra coisa…

Acho que sou a famosa pessoa que tem bicho carpinteiro, ou corrigindo o ditado, bicho pelo corpo inteiro.Não sei ficar parada. Mesmo enquanto estou trabalhando (no direito), minhas mãos estão fazendo outra coisa. Às vezes, pareço ser duas. Ou três… Desde que assisti a novela Irmãos Coragem e vi Glória Menezes fazendo o papel de uma mulher com três personalidades, achava isso impossível, mas, talvez, não seja assim, tão distante de mim mm…rs
Só que as três personalidades, ou mais, que habitam em mim, se conhecem e se entendem… Uma dá espaço para a outra e vão abrindo caminho para a realização de seus/meus desejos e habilidades.

O artesanato para mim é uma terapia, um prazer, uma realização. 

Mas, quando se tem somente meninos por perto, é um tanto quanto sem graça… em vista das possibilidades que uma menina nos apresenta: Lacinhos, fitinhas, florzinhas, tule, botões, são delicadezas que não combinam muito com os meninos.

Numa das oficinas de artesanato do SESC, fiz para Júlia, que ainda não tinha nascido, uma aplicação de bailarina num body branco. Para combinar comigo, fiz a mesma aplicação numa camiseta que comprei na Benetton de Milão, porque eu não sou fraca não…rs

Agora, a oportunidade única! Fazer uma sainha de tule, a famosa saia tutu, de balé, ballet.

Comprei um rolo de tule, mas estava preocupada que não fosse suficiente.

Para uma saia para uma menina de 9 meses, foi na medida.

Natalie mandou-me a medida de 44 cm para cintura e com isso, enrolei num pedaço de madeira (gabarito para cortar cabelo de bonecas), que tenho há trinta anos…. até terminar o rolo.


Cortei e decidi fazer sem costuras, somente prendendo no elástico, como um ponto smirna de tapeçaria.


O acabamento fiz com fita cor-de-rosa, terminando com laço.


Para a cabeça também fiz laço da mesma fita e cor, terminando com uma rosinha de resina.


Júlia tem sapatilhas. 

Natalie comprou asinhas de borboleta, combinando.

Murilo, fantasiado de super homem e Leonardo, de power rangers azul que ele adora. Nada tive com isso…. meninos, outro departamento.